Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um dia a casa vem abaixo

Só 255 caracteres?! Isso não dá para nada!! Bem, o melhor será ir passando por aqui. Assim ficará a entender melhor o que é. Obrigada pela visita. Tenha um dia feliz!

Um dia a casa vem abaixo

Só 255 caracteres?! Isso não dá para nada!! Bem, o melhor será ir passando por aqui. Assim ficará a entender melhor o que é. Obrigada pela visita. Tenha um dia feliz!

Alimentação infantil

transferir.jpg

 

 A alimentação das crianças é um tema que gera sempre muita polémica e muita discussão. Estarão as nossas crianças a comer da melhor maneira? Será que alimento bem o meu filho? Aquilo que ele come responde às reais necessidades do seu dia a dia? Que cuidados devo ter quanto à ingestão de açúcar? Faço mal em mandar-lhe umas bolachinhas para o lanche?

As perguntas são uma constante e o tema não tem fim, pois há sempre pontos a ter em conta e novos estudos surgem todos os para baralhar ainda mais as decisões dos pais. “Não se deve dar leite às crianças.” “As crianças consomem açúcar em excesso.” “As crianças em Portugal estão a ficar obesas!”

Algo muito interessante, a meu ver, aconteceu no passado dia 5 de Janeiro. Foi apresentada em Assembleia da República uma proposta para que passem a existir mais refeições vegetarianas nas cantinas das escolas. Ora, só o tema da alimentação já tem muito que se diga. Refeições vegetarianas nas escolas nem se fala!

Não acho nada descabido nem tão pouco fora do comum que tais pratos façam parte do menu diário de todas as escolas do país (será pedir muito?).

Cá em casa as refeições vegetarianas são tão comuns, que nem sequer lhes chamamos “pratos vegetarianos”, mas sim, comida. Não temos qualquer prurido em comer uma feijoada. Como no dia seguinte, comer caril de tofu. Não há que fazer a diferença, pois se tal acontecer, começa a haver “estranheza”. Se tudo for encarado como comida, só com ingredientes novos, não há como falhar.

Existem contudo outros aspectos que tornam o assunto ainda mais discutível. Então e as crianças que por opção dos pais não comem nem carne nem peixe. Como é que se alimentavam até agora? Levavam, certamente, comida de casa. E aquelas, cuja religião não as permite comer certos e determinados alimentos. Terão também elas, optado pela mesma solução. Não vamos se quer falar das crianças com alergias e intolerâncias alimentares!! Essas não têm qualquer hipótese. Para sua segurança, levam de casa e nem sequer estranham que as suas refeições não façam muito sentido para o comum dos mortais. A sua saúde está em primeiro lugar. Nunca o ministério se lembrou delas! Nunca teve em consideração as suas convicções e limitações alimentares.

Felizmente nunca é tarde para a mudança acontecer.

Se querem que os pratos vegetarianos façam parte do menu de todas as cantinas em Portugal, fazem muito bem. Mas por favor não promovam a diferença. Porque no fundo é comida. E isso é o que basta.